quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Friends

Como é que uma vulgar ida à depilação se transformou num momento tão especial? Ali, no meio do Campo Pequeno, escuto ma gargalhada inconfundível. É a Raquel! A Raquel, a minha melhor amiga dos 10 aos 18 anos. Não nos víamos há 13 anos.
Bombardeámo-nos de perguntas. “Estás casada? Filhos? Trabalhas onde? Em que faculdade andaste? Estás a morar onde” Marcámos um jantar e aí actualizámos toda a informação dos últimos 13 anos… Aconteceu tanta coisa. Amores, desamores, novas amigos, novos sobrinhos, casamentos, baptizados, funerais e nascimentos. Marquei em minha casa. Achei mais intimista. Ela levou os álbuns de fotografias e eu mostrei-lhe os meus. As viagens, os namorados, a família, os amigos, as modas, os cortes de cabelo. Uma viagem ao passado. Um passado que não vivemos juntas. E tenho pena. Rimos, chorámos.
Inacreditável, senti a mesma amizade, a mesma cumplicidade. É a minha Raquel. A minha amiga está de volta à minha vida. Aquela com quem fugia à noite pela janela e metia almofadas na cama para ir às quartas-feiras ao Alcântara-Mar, às noites hard-rock. Foi com ela que comprei os meus primeiros sapatos de saltos alto, foi com ela que deixei de usar saias de pregas e meias pelo joelho. Era ela que sabia a paixão que sentia pelo João da Motomoda.
Nunca nos separámos, chegávamos da escola e fazíamos os trabalhos de casa pelo telefone e combinávamos a roupa para o dia seguinte. Passávamos as férias grandes juntas. Muita praia e muita piscina. Ela invejava a minha pele bronzeada e eu as suas pernas elegantes.
Treze anos depois reencontramo-nos e nem hesitámos em partilhar segredos e pedir conselhos. Já fomos a festas juntas – no Convento do Beato - e não é que nos divertimos como antigamente. Dançamos da mesma maneira, gozamos tal como antes. Afinal somos as mesmas amigas de sempre.
Tão bom ter-te de volta!