sábado, 10 de maio de 2008

Entre um mergulho e outro no Indico, faço o ponto de situação:

Dia 3


Cinco da matina, toca a acordar. Safari time!
Uma viagem de duas hora até 'África do Sul. Acabada de chegar, no hotel, o hipópotamo dá as boas vindas do rio dos Crocodilos mesmo em frente ao quarto. Cá fora, o macaco cara preta não resiste a dar um ar de graça.

Dia 4
Seis da manhã, a buzina do jipe dá a hora de saída para o Kruger Park. As mantas aquecem os corpos ainda adormecidos que balançam no banco detrás do carro. Douglas, um simpático sul africano na casa dos 60 anos explica as regras. Nada de chamar , nem alimentar os animais... Já me estava a imaginar: Anda cá pequeno leão comer à mão...
Minutos depois de atravessar a ponte dos Crocodilos, um leão brinda com a sua presença os visitantes que madrugaram. Elefantes, impalas, girafas, zebras, búfalos, rinocerontes e várias espécies de aves tornam o safari mais animado, embora termine sem sucesso na busca pelo leopardo. "Sao muito difíceis de ver", argumenta o velho Douglas, ranger há oitos anos, mas conhece o parque desde criança. Regresso ao hotel, para uma sande rápida e entrar na aventura nocturna. King of the road, o leão, velho e magro, dizem os guias que é por ser preguiçoso para caçar, toma conta da estrada. Os turistas param o trânsito e não se cansam de fotografar o animal a menos de um metro de distância. O dia termina, sem completar The Big Five... O leopardo continua desaparecido. No álbum das memórias ficam os restantes quatro: leão, elefante, búfalo e rinoceronte.

1 comentário:

neza disse...

Sim amiga, falei-te do cheiro e da cor da terra "vermelha"que ainda hoje guardo na memória, fiquei contente por me teres citado,continuação de boas férias com as banhocas merecidas,um abraço transatlantico para ti e daniela,
inês